quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

paulo o pelegrino nordestino parte 5

_no shopping ,com meu amigo Aldo em salvador ,então fomos no shopping eu Aldo e Cuiabá então ao chegar no shopping foi só compras e muita comida aliais o motivo de estarmos ali era para gastarmos e ele mesmo ,deferente com sua ambição me tratava como seu maior amigo só eu há nossa estadia em salvador não era só festas Aldo não sabia oque o esperava pois ,eu não estava apegado há grana eu estava ali para descobrir ,lugares e conhecer pessoas então depois das compra Aldo tinha que volta há fazer ,o que começou ou seja ele tinha um trato com os baiano ,e naquela época oque valia em um homem era sua palavra ,só que o compromisso ,dos baianos era com Aldo e não comigo ele gostava sim da vida ou seja da fantasia do crime pois não passa de uma ilusão ,pois todo dinheiro que se ganha se gasta e sem falar nas guerras ,mais vamos voltar há falar de Aldo na época ingressou no crime e eu como seu amigo sempre estava com ele e eu falava para ele isso não tem futuro mais ele dizia se isso não da futuro me diz o que dar pois já estamos aqui há 3 dias e não tinha nada nem onde comer agora eu fico a noite vendendo e você não faz nada tal vez você não esteja entendendo ,mais o lagoa ou seja o boca da mata ,só vai aparecer lá na frente vamos volta para o amigo do lagoa o Aldo no quinto dia em salvador nós já tinha abandonado o albergue ,e já morávamos na praia ,e com tudo isso eu não quis meche com o trafico mais eu não sabia o que o futuro tinha preparado para mim ,então depois do primeiro mês já estávamos andando de moto pois os baianos ,já tinham dado há gerencia ,da boca pra Aldo toda noite ele descia para avenida principal de salvador na orla em campo grande na barra ele já dominava tudo isso e eu um certo dia perguntei Aldo onde você quer chegar ? ele me respondeu eu quero ser dono ,dessa biqueira ,que é o mesmo que boca então eu falei para Aldo você Tá louco rapaz ele me falou já tenho armas dinheiro e sou funcionário quero ser patrão ,tá é um cara que eu subestimei e disse se você for entra em guerra com os baianos ,nós vamos morrer pois nós somos muito menos que eles e eu não vou te apoia nessa parada isso é Judá-ria e ele me disse Judá-ria era se eu fosse pegar eles por traz mais vou receber há carga e na hora de presta conta ,eles não vão ter nada e vou manda recado se desse pra em baça vai toma tiro foi ai que eu falei meu amigo boa sorte amanha vou mete o pé e não vou fazer isso com quem nos deu há mão ,e vou te afirma que se você fizer isso essa guerra não vai para pois ,vai vim os amigos deles e manda pra cima de nós então pensa é pois se for fazer essa parada eu estou fora ! e rolou uma discussão entre eu e Aldo e ele me falava pó lagoa você come e bebe nas minhas custas i agora não quer lutar pra toma há parada dos baianos eu no fundo pensava se nós tomamos há parada seria bom mais era muito ariscado pois na época não se via guerra entre quem vendia e quem comprava ,e também porque há única droga da época era maconha ,cocaína ,e lança perfumes ,